Os apressadinhos e os calminhos

30 jan • Caso do Dia, NotasNenhum comentário em Os apressadinhos e os calminhos

No início do século XX, o empresário circense norte-americano JB Barnum dizia “nasce um otário por minuto”. Com a bolsa dá-se o mesmo. As ações da Vale vão cair barbaridade, bradavam os corneteiros. De fato, caíram 20%. O que aconteceu ontem? O papel subiu. Quem teve sangue frio sabia que as ações da mineradora iam cair e esperou para comprar. E venderão na alta.

Os neófitos e os apressadinhos costumam comprar na alta e vender na baixa.

As multas, ora as multas

E as multas da Vale vão a bilhões. Só tem uma coisa: multa, no Brasil, foi feita para recorrer. Assim como lei foi feita para ser ignorada ou para ser desobedecida.

Inversão

Para manter distanciamento crítico para analisar friamente as tragédias, o jornalista deveria ser o último a se indignar. Mas tudo mudou no jornalismo. Repórter antes apenas reportava. Hoje, emite opinião.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »