O teu cabelo não nega

18 ago • A Vida como ela foiNenhum comentário em O teu cabelo não nega

PENTES FLAMENGO - ANTIGO PENTE FLAMENGO - PENTES CONDOR - CARÍSSIMAS CATREVAGENS - ANOS 70 - ULTIMO DOS MOICANOS -002Lá de São Lourenço, o meu amigo Pipoca faz uma observação pertinente. Seu relato: “Estou deveras encucado com uma coisa simples, mas que faz muita falta! Faz muito tempo mesmo, que não encontro mais pentes para cabelos de homens, aqueles de levar no bolso da calça. Sempre tinha aos montes. Pentes de ossos, chifres, plásticos, aqueles da marca flamengo etc. etc. Pois não é que desapareceram do mercado. Encontrei uns pequeninos nas Americanas e só. Será porque a maioria dos homens está ficando careca?”

 De fato, é parte da explicação, meu amigo Ruy W. Duarte. A outra é bem mais simples. Já notaste que ninguém mais penteia cabelo, que deixam os fios rumando para todas as direções, como se um helicóptero tivesse secado seus cabelos? O gel só fixa a esculhambação capilar. Que é considerado o máximo, coisa de macho-alfa.

 Houve tempo em que se passava brilhantina nos cabelos, depois de laboriosamente penteados de forma tal que parecesse ou um cabelo unidos venceremos ou com aquelas trilhas que parecem uma plantação de soja. As calças eram rigorosamente plissadas, não sei se é a palavra certa. Deus me livre de usar sapato sem graxa. O brilho só era considerado bom quando você o usava como espelho para se pentear.

 Hoje mudou. Sem cabelo ou com aquele penteado tipo do empresário do Mike Tyson dos bons tempos, só que com insurreição dos fios, tudo o que você precisa é uma calça jeans antiga e rasgada. O par ideal para você é uma mulher com cabelos pintados com cores vivas, um jeans rasgado também, e piercings em quantidade suficiente para interessar o alto forno da siderúrgica do doutor Jorge.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »