O surdinho

8 set • A Vida como ela foiNenhum comentário em O surdinho

Há coisa de meio ano fui ao Pizzaiolo, cujo cardápio tem uma pizza que homenageia a página 3 que edito no Jornal do Comércio, Começo de Conversa. Até foi criação minha. Não é nada demais, tomate, presunto e lombo canadense, mas tudo em doses generosas menos o tomate. Foi aí que encontrei o surdinho.

Quando atravesso o corredor da Churrascaria Barranco para pegar o carro no estacionamento, deparo-me com dois veteranos jornalistas gaúchos. Um deles era o Carlos Bastos, que é do tempo da galena e das filmadoras B&H, usadas na invasão da Normandia em 1944. Parei para uma breve conversa.

O outro jornalista parecia não entender o que eu falava, porque eu dizia capital e ele entendia cabedal, disse honorários e ele me perguntou o que bancários tinham a ver com o papo, e assim em diante. Passei a falar mais alto, porque obviamente o meu amigo era surdo.

– Fala alto, porque ele tá completamente surdo – gritou Bastos.

Respondi usando o mesmo volume de voz que ele usou, quase gritando.

– Ele sempre foi surdo, só que agora piorou muito.

O Bastos botou a mão em concha na orelha.

– Hein?

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »