O sumiço do dedo

30 nov • A Vida como ela foiNenhum comentário em O sumiço do dedo

Em décadas passadas, a Justiça Eleitoral não dispunha de legislação mais severa para fiscalizar doações de campanha, então era um vale-tudo. A moeda preferida era o dólar, muitas vezes nascido dentro do caixa dois. Pois foi nesse contexto que um empresário enviou cinco mil dólares, um dinheirão na época, para um candidato a prefeito de cidade de uma galáxia muito distante.

Para conferir se a mercadoria tinha chegado ao destino, nosso homem postou-se nas primeiras filas do palanque no comício de encerramento. A cada fala mais inflamada do candidato, levantava a mão bem aberta para  ressaltar os cinco dedos.

O candidato então abanava para a multidão mostrando quatro dedos. Para reforçar o recado, na mensagem labial lia-se “quatro”. Onde foram parar os outros mil dólares ficou em aberto. Na dúvida, chacoalharam o mensageiro de cabeça para baixo.

Não caiu nem alfinete. Mas por algum motivo, ficou rindo na vertical.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »