O sapo e o mosquito

17 fev • A Vida como ela foi, FabulinhasNenhum comentário em O sapo e o mosquito

Desenho de Sapo segurando um coração

  Estava um sapo se refrescando na beira de uma poça d’água quando passou um mosquito três em um – dengue, zika e febre amarela – em voo rasante. Tirou um fininho do batráquio, ciente que esse tipo de gente (ou animal) come tudo que voa. Só para inticar, fez o sobrevoo. O sapo levantou uma pata e abanou o ar para afastar o inseto.

  – Pode me provocar à vontade, Aedes, eu já almocei.

  – Sei disso – falou o mosquito. – Por isso estou te irritando. Você comeu toda minha família, meus pais e avós, filhos e primos. Tinha que ter um inferno só para sapo malvado. Tu não presta!

  O sapo deu um arroto e começou a cochilar. O mosquito deu um último rasante no preciso momento que a língua especializada do batráquio fez um oito e capturou o difusor do zika, que foi imediatamente transladado para o porão do sapo modelo cururu, que deu outro arroto.

  – Eu não presto, mas eu te amo!

 Mortal da história: nunca voe perto de um acrobata.

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »