O ponto

19 jan • A Vida como ela foiNenhum comentário em O ponto

Em décadas passadas, quando o Brasil ainda tinha indústrias com expressivo valor porcentual em relação ao PIB, P. foi nomeado chefe do escritório do Ministério da Indústria e Comércio que, na época, tinha tanto e até mais importância do que a pasta da Fazenda.

Homem de muito prestígio junto ao partido do governo, estranhei que P. não tivesse sido indicado para um posto de maior relevância. Um dia ele me convidou para conhecer o escritório, na Galeria do Rosário. Dias depois fui lá e fiquei até meio chocado. O espaço era liliputiano, cabendo apenas uma mesa com telefone, um sofá e duas ou três cadeiras.

– Quero dizer que fiquei espantando, meu amigo. Achei que tinhas uma estrutura completa, azáfama de gente entrando e saindo, e agora vejo que parece cela de um frade. Pelo menos o salário é bom?

– Para dizer a verdade, é uma bosta – falou ele sorrindo.

– Então me desculpa, conhecendo como te conheço, não entendi. Qual a vantagem?

Sempre sorrindo, ele me contou o terceiro segredo de Fátima.

– É que o ponto é bom.

Agora vocês entendem o mecanismo do poder subterrâneo.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »