O paraíso condensado

24 mai • A Vida como ela foiNenhum comentário em O paraíso condensado

Quando eu tinha 16 anos, meus pais me mandaram para o internato do Colégio São Jacó, em Novo Hamburgo, bairro Hamburgo Velho (RS), hoje sede da Universidade Feevale. Internato é internato, é como prisão, não adianta luxo na cela. Como eram tristes aqueles anos, para usar uma frase de Lotte, mulher do escritor Stefan Zweig na sua carta de demissão. A cada duas semanas e com expressa autorização dos pais, você fazia uma maratona usando três ônibus pinga-pinga para chegar, no meu caso, a Montenegro. Saía no sábado às 10h e domingo de noite tinha que estar lá antes das 19h.

Domingos eu já amanhecia triste. Minha mãe colocava uma lata de leite condensado Moça (Viva a Nestle!), aquecida em banho-maria até virar dulce de leche ou algo perto disso. Nem o Santo Graal era tão guardado quanto aquela lata, escondia-a entre meus cadernos, canetas e livros escolares colocados dentro de uma estante com generoso espaço.

Não se roubava doces alheios naqueles tempos – hoje feliz – e na época tão amargos. Todo santo dia, eu levantava a tampa da latinha e saboreava uma colherinha pequena daquela delícia. Raspava tanto o fundo com a colher que a parte interna brilhava mais que osso de cadáver de camelo ao sol do Saara. O bicho comeu.

Esse foi meu conceito de felicidade nos tempos do internato do São Jacó. Uma simples lata de leite condensado era entrar no paraíso – em colheradas miúdas para durar mais tempo. Tem alguma moral da história aí, mas não estou aí para fazer a exegese da filosofia de um subproduto gerado por uma simples, eficiente e inocente vaca.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »