O padre-poeta

12 fev • A Vida como ela foiNenhum comentário em O padre-poeta

Por vias transversas, conheci em um passeio de barco no Pantanal, a vida e obra do padre cearense Antonio Thomaz Lourenço (1868-1941). Seus poemas e sonetos são extraordinários. Tinham temas profanos como prostitutas, palhaços, figuras do povo, seus usos e costumes. O seu tom era quase sempre de amargura, e assim ele morreu.

A Santa Madre o detestava, obviamente. Pouco antes de morrer, deixou um testamento, que, em uma das cláusulas, pedia que que seus poemas nunca fossem reunidos e transformados em um livro. E assim é até hoje, embora muitas das suas obras apareçam em antologias. “Quero ainda que meu corpo seja enterrado sem esquife, e que a pedra da sepultura seja reposta no mesmo plano ficando debaixo do chão, e que não se ponha em tempo algum, sobre ela, nome, data, inscrição ou qualquer sinal exterior que a faça lembrada”. Esse pedido o Ceará não obedeceu, felizmente.

Admirem uma amostra da sua sensibilidade. Sem maiores explicações, porque o soneto delas prescinde.

Contraste

“Quando partimos no verdor dos anos

Da vida pela estrada florescente,

As esperanças vão conosco à frente, 

E vão ficando atrás os desenganos.

 

Rindo e cantando, céleres, ufanos,

Vamos marchando descuidadosamente;

Eis que chega a velhice, de repente,

Desfazendo ilusões, matando enganos.

 

Então, nós enxergamos claramente

Como a existência é rápida e falaz,

E vemos que sucede, exatamente,

 

O contrário dos tempos de rapaz:

Os desenganos vão conosco à frente,

E as esperanças vão ficando atrás!”

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »