O naufrágio do restaurante (I de II)

22 nov • A Vida como ela foiNenhum comentário em O naufrágio do restaurante (I de II)

Todos o conheciam no restaurante Dona Maria, mas só de vista. Todos sabiam que ele era médico, mas só de ouvir falar. Todos sabiam que ele já tinha passado dos 60 porque estava na cara. E todos sabiam que ele ia jantar sempre com duas garotas muito bonitas e bem jovens porque dava inveja. E todos sabiam que ele era nordestino porque os garçons identificaram o sotaque.

Careca, acima do peso, aparência de quem foi e ainda era, quem sabe, um ninja dos lençóis. O trio sentava sempre na mesa do canto logo após a entrada. Era uma sábia logística, sem dúvida. Quando se entra num ambiente público não se olha para os cantos escondidos logo após a entrada. Elas só tinham olhos para o bom doutor. Seis mãos se entredevoravam com pudicícia acima e sem ela debaixo da mesa, segundo o garçom Adão, o Longevo.

Nesta quadra da vida, as conquistas amorosas costumam sair da pessoa física para a jurídica – Nelson Rodrigues já dizia que o dinheiro compra até amor verdadeiro. O fauno vestia sempre um terno bem cortado, usava perfume caro e discreto, um reluzente Patek Philippe no pulso.

Na outra ponta do restaurante, perto da caixa, sentava sempre o dono, o austríaco Ernesto Moser. O restaurante foi severamente danificado por um incêndio por volta de 1973, mas tal como Fênix deu a volta por riba.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »