O mar não está para peixe

12 nov • Caso do Dia, NotasNenhum comentário em O mar não está para peixe

mar para peixwe

mar para poeicEsse monte de caniço na plataforma e acredite, ninguém pegando nada. O torneio de pesca que foi previsto para o feriado dos Finados, foi transferido para ontem, por causa dos ventos.

E sábado as condições pioraram ainda mais. Não deu nem pra contar história de pescador.

 

A volta de Capitu

Capitu traiu ou não Bentinho no livro Dom Casmurro? Essa dúvida assombra fãs de Machado de Assis desde que o primeiro abriu o livro, em 1899. Passa-se mais de um século e Capitu submerge não como mulher, mas como nome de operação da Polícia Federal, que acabou por levar novamente o empresário Joesley Batista a um lugar onde se vê o sol nascer quadrado.

A pulada de cerca

Talvez o agente que dá nomes às operações da PF tenha se valido da Capitu da ficção para a nova operação. Afinal, um dos motivos que levaram à prisão foi o fato de ele ter enganado os federais. “Mentiu e ocultou fatos”, foi a razão da nova ofensiva. Portanto, tudo a ver com Capitu.

Traições

Joesley sempre poderá alegar que não traiu o Bentinho da vida real, mas, ao contrário do livro, não restam dúvidas que o empresário andou aprontando de novo. Aliás, desde o início dessa novela, quando divulgou a gravação com Michel Temer nos jardins do Palácio, Joesley falou tanto, divulgou tanto e contou tanto que era inevitável que ele tropeçasse nas próprias pernas. Chega um momento em que você não se lembra da mentira anterior.

O enxadrista

Todo bom enxadrista sabe que, ao mover determinada peça, o adversário fará um movimento que ele já esperava. E um bom criminalista não faz pergunta sem saber qual a resposta. O segredo da coisa é prever o que o outro fará, qual a nova peça ele já calculou antecipadamente e assim por diante. Pelo que se vê, Joesley é tudo menos um bom enxadrista. Se fosse, saberia que divulgar gravações como aquelas gerariam consequências imprevisíveis que, ao fim e ao cabo, acabaram por levá-lo à prisão e estragar boa parte dos seus negócios.

A pedra no lago

Um tablado de xadrez tem baias demarcadas; uma pedra jogada na água de um lago plácido gera ondas concêntricas imutáveis; uma gravação pesada como aquela gera efeitos imprevisíveis. É o Imponderável da Silva. O que eu quero saber de Capitu II é se ele, lá atrás, naquela noite em que tudo começou, pensava que o cocô que ele jogou no ventilador causaria o mesmo efeito previsível de uma pedra jogada na água?

A grande dúvida

Resta uma questão difícil de responder: A Capitu do livro traiu ou não traiu o Bentinho? Talvez nem Machado de Assis soubesse.

The least…

…but not the last, viram que a investigação da Polícia Federal chegou a propinas recebidas, em 2014, pela cúpula do Ministério da Agricultura? Ano danado esse de 2014. Naturalmente que ninguém sabia.

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »