O leitão da maçã

31 jan • NotasNenhum comentário em O leitão da maçã

Cada ano que os argentinos vêm para nossas lúgubres praias, terrenos de fincar guarda-sóis rodeados de criancinhas correndo e espalhando areia e de marmanjos com a pior música do mundo no mais alto do volume, lembro de uma causo que assisti junto com o falecido humorista Carlos Nobre.

Era nos anos 1980 e eu foi ao Hotel Beira Mar, em Tramandaí, falar com o Nobre. Era coisa de 11h30min. A portaria o avisou e eu fiquei esperando sua descida. No salão ao meu lado, estava posta uma grande mesa redonda com um leitão de bom tamanho no centro, uma maçã na boca aberta.

Súbito, os Hermanos desceram aos magotes dos seus apartamentos. Como dizia o Rei do Furo, era uma camarilha de 30. Como nos documentários em que dezenas de hienas comem o animal recém-abatido em poucos minutos, até deixar só ossos e cartilagens. Pois os argentinos fizeram o mesmo. Quando terminaram, só restou a ossada do leitão. Até a maçã sumiu.

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »