O Humorista Desconhecido

1 fev • Caso do DiaNenhum comentário em O Humorista Desconhecido

Homenagem ao Soldado Desconhecido, já ouviram falar? Antes que o mundo virasse de ponta-cabeça, quase todos os países europeus tinham estátuas homenageando o combatente que deu a vida pela causa, mas que nunca recebeu medalhas e honrarias porque anônimo. Parênteses: o polaco Pedro Magajewsky, que Deus o tenha nas Eternas Destilarias, certa vez, sugeriu, no bar do City Hotel, que se erguesse a estátua à Mulher do Soldado Desconhecido. Demorou a cair, mas a ficha caiu. Fecha.

Pois eu acho que está mais que na hora de criar a estátua do Humorista Desconhecido. Analisando friamente, a vida é uma sucessão de desencantos dolorosos entremeada de alegrias efêmeras, então o riso é fundamental para o bem-viver. Quem nos faz rir é um guerreiro. Vamos ficar com um humorista conhecido só para citar um. Duvido que o caro leitor não tenha gargalhado com Chico Anísio e seus personagens, seja na Escolinha, seja no Chico City e outros programas. Esse cara – esses caras – alegraram sua vida, eles despejaram toneladas de bem-estar ativando suas sinapses, fizeram-nos sair do sério, literalmente falando.

Então, estátua para eles.

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »