O desastre de 1988

3 nov • Caso do Dia1 comentário em O desastre de 1988

Uma das causas mais fortes pelo lamentável estado em que está a Nação brasileira é a Constituição de 1988. Ela tornou o Brasil ingovernável. Seus geradores disseram que ela tinha o ser humano como referência, mas eu digo que ela colimou apenas os DIREITOS do ser humano, MAS não colocou os DEVERES correspondentes. Então o que estamos vendo já era pedra cantada na época. Emocionamo-nos porque recém saímos do período de exceção para a afirmação democrática. Boa, palmas etc e tal, todos ficamos contentes. Só que resultou em democratismo, e isso se vê a toda hora. Subproduto: o coitadismo.

É o caso das greves abusivas e sem motivos claros, paridas em ventres ideológicos em boa parte. É a desobediência civil em larga escala, é a ditadura do aluno sobre o professor e a ditadura dos filhos sobre os pais. Agora mesmo vivemos um desses episódios, o não-ensino.

Estranho mundo esse dos estudantes. Quando não são os professores e funcionários – no caso, das universidades federais – a fazer greve, eles mesmo se arrumam uma folga ocupando escolas para não estudar.

A propósito do coitadismo, leiam nas Notas o caso de Hellen Keller, uma mulher notável que mesmo sendo cega e surda deu a volta por cima.

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

One Response to O desastre de 1988

  1. rafael nunes leal disse:

    Se o leitor portoalegrense quiser se inteirar do mais raso senso comum corrente em nossa aldeia, não precisa ir longe. Basta aportar aqui. O colunista, além de raramente trazer alguma informação relevante, reproduz o que estamos cansados de ouvir em mesas de buteco e viagens de táxi. Explica muito sobre a a atual situação de nossa cidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »