O café das multidões

2 jul • A Vida como ela foiNenhum comentário em O café das multidões

Cafeterias como as entendemos hoje são coisa recente em Porto Alegre. Já o cafezinho sempre foi uma instituição – e bebida – nacional. O antigo Café Rihan, na Rua da Praia, hoje Panvel do Calçadão, chegou a ter picos de quatro mil cafezinhos por dia na década de 1970, início dos 80. Você tirava a ficha nos caixas e sacava ideias para uma conversa. Neste sentido, cafezinho é melhor que álcool. O desejo de entabular conversa é instantâneo.

Pagar cafezinho para parceiro de papo era meio esquisito. Lembro de fregueses do Rihan dizerem que esse era um favorzinho de merda, porque te obrigava a retribuir. Melhor cada um no seu, era a regra geralmente aceita. Naqueles anos, a Rua da Praia era um palanque plano para políticos na ativa ou na reserva. Formavam-se rodas com conversas às vezes entre rivais, mas sem aquele ódio que se vê hoje. No final, todos iam ao Rihan tomar cafezinho, os originais, em xícara pequena.

Imagino que se fosse hoje, iria aparecer algum chato querendo um selfie. E também imagino que o convidado aceitaria de bom grado. Os seres repugnantes são aqueles que tentam se enroscar nas pessoas fingindo intimidade inexistente. O chato é uma instituição do mal. O cafezinho é uma instituição do bem.

Chatos deviam ser proibidos por lei.

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »