O cabaré que nunca morreu

12 ago • A Vida como ela foiNenhum comentário em O cabaré que nunca morreu

ivo cabaré

PHOTO-2019-08-08-21-18-12A velha guarda de Uruguaiana está desolada. Veio abaixo o prédio na rua Flores da Cunha onde funcionou, em melhor fase de sua história, um dos cabarés, seguramente, mais famosos do Rio Grande do Sul, o legendário “Cabaré  do Ivo Rodrigues”. Um depoente que viveu os tempos do travesti Ivo, postou um texto que me foi passado pelo ex-prefeito de Porto Alegre Guilherme Socias Villela, que é de Uruguaiana.

“Agora, eu fico pensando: quantos foram soluços, o pranto dos espíritos de fiéis frequentadores que ali permaneceram a cada golpe de martelos, marretas e máquinas que foram derrubando as velhas portas e janelas, pisos por onde passaram e dançaram e amaram, as gurias, os coronéis, os gigolôs, os boêmios, os poetas, músicos? Lá se foram, com as paredes, os segredos, as paixões, as fantasias, os sonhos concretizados e outros desfeitos.”

Villela repassa essa importante notícia vinda na sexta-feira de Uruguaiana que está deixando muitos idosos desolados. Muito deles estão arrumando suas pilchas, incluindo ponchos e malas de garupa, para se dirigir para a argentina Passo de Los Libres. O prefeito está reunido com seus assessores aposentados discutindo decretar calamidade pública, escreve.

Que coisa! Ivo já morreu há décadas, mas volta e meia ainda é notícia. Acompanhado pelas gurias do cabaré, ele desfilava vestido de mulher em carruagem aberta pelas ruas da cidade. Vivo, Ivo só era conhecido na Fronteira Oeste; morto, o Rio Grande todo conhece sua vida e obra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »