O bom moço

25 nov • Caso do Dia, NotasNenhum comentário em O bom moço

Morreu, com apenas 69 anos, o locutor e apresentador Fernando Vanucci. Pena. Ninguém deveria morrer com essa idade. Vanucci tinha boa cara, como diziam nossas mães.

A PERGUNTA…

…que mais se ouve por aí é porque o assassinato torpe de uma PM branca não mereceu destaque e até foi ignorado pela mídia. Ambos brutais.

https://www.banrisul.com.br/pix?utm_source=fernando_albrecht&utm_medium=blog&utm_campaign=pix_poscadastro&utm_content=centro_600x90px

O QUE NÃO PODE…

…é  criar um conflito para resolver o anterior.

SE VOCÊS…

…virem alguém com um revólver fumegante tendo ao lado um tablet da Samsung crivado de balas gritando “morra seu corretor de merda” podem apostar que sou eu.

O FIM DAS MAQUININHAS

Agora que até o oitavo carregador de moringa do safari se acostumou com a maquininha do cartão, vem me dizer que ela já era, que agora é a vez do QR Code.

A VELOCIDADE DO TREM

A humanidade levou um milhão de anos para desenhar em paredes, a escrita tem só seis mil anos, Gutenberg criou a imprensa há pouco mais de 500 anos, o computador apareceu em 1949, a internet abriu para o povo há 30 anos. Um dia vai ter muro pela frente.

O TREM DO PRESIDENTE

Contam que levaram George Washington já bem velhinho para ver o protótipo do primeiro trem nos Estados Unidos, com promessa de viajar a grande velocidade, para a época. Ao ver a locomotiva resfolegar, ele se virou para um amigo.

– O cavalo já foi um erro.

PARADOXO TECNOLÓGICO

De alguns anos para cá, os celulares ficaram cada vez maiores e os computadores cada vez menores. Não demora vêm os hologramas e depois o sexo – de verdade – virtual.

ESTÁGIO PROBATÓRIO

Quando enfim a vacina chegar, os cautelosos não irão correndo para a fila. Vão esperar um bom tempo para ver se não dá zebra. Mesma coisa quando lançam um carro novo. Hay que esperar para que surjam os defeitos para que a montadora os elimine e só então se compra um.

MEMÓRIA JORNALÍSTICA

O segundo jornal a substituir as máquinas de escrever por computadores foi a Zero Hora, em 1986. O primeiro foi O Globo. Claro que não tinha internet, o fax recém começara a dar as caras, mas existia o contra o C contra o V nas agências de notícias. Eram poucos comandos, todos no teclado, então o mouse só apareceu nos anos 1990.

O comando que eu mais gostava – fiz o Informe Especial nos anos 1980 – era o que permitia dar recados para revisores e diagramadores no corpo da matéria sem prejudicar a impressão, nem alterava a contagem dos toques. Na tela, o recado ficava em verde brilhante e você podia se esbaldar. Não sei se ainda existe.

PARCERIA

A Gerdau e a Braskem firmaram parceria com o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) e a Alkimat Tecnologia para o desenvolvimento de soluções inovadoras para o setor de eletromobilidade utilizando manufatura aditiva, tecnologia popularmente conhecida como impressão 3D. O projeto terá foco em componentes para sistemas de transmissão automotiva, com potencial para alavancar a expansão da indústria automotiva elétrica no país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »