O batismo hospitalar

13 mar • A Vida como ela foiNenhum comentário em O batismo hospitalar

     Afora para visitar parentes e amigos, só entrei uma vez em hospital até agora para algum procedimento. Eu tinha seis para sete anos quando deixei a perna direita em uma prensa de alfafa, que era um dos negócios do meu pai, em São Vendelino. Por azar, um domingo, bem no dia das Bodas de Prata dos meus pais.

     Gritei muito, disso eu lembro. Também lembro do meu tio e padrinho Edgar Selbach descer correndo da festa e me levar nos braços até a cama. Outra lembrança vívida foi o percurso até o hospital em Bom Princípio. De acordar no meio da operação porque a anestesia parou de fazer efeito. O cheiro de clorofórmio está nas minhas narinas até hoje. Ou seria éter?

     Depois, foi uma festa. Compraram uma bengala para mim e eu desfilava com ela com a perna engessada para cima e para baixo como se fosse a versão infantil de Charlie Chaplin.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »