O Bar de Bach

10 fev • Notas2 comentários em O Bar de Bach

Bach_faceComeçou com o João Sebastião Bar, no Rio de Janeiro. Também tivemos o Reembrandt, mas, misericordiosamente, ninguém ousou – ou descobriu – algum trocadilho para desonrar o mestre holandês.

Não tenho certeza, mas acho que ninguém batizou algum templo etílicos de Choppin, outro gênio da música erudita. Acho que alguém vai botar isso nas redes sociais e, dentro de algum tempo, vai parecer algum bar com esse nome.

Quero royaltes, vou avisando desde já.

2 Responses to O Bar de Bach

  1. Luiz Fernando Figueiredo disse:

    Em primeiro lugar, quero parabenizá-lo por tua iniciativa de contar a história de Porto Alegre e outras cidades, tendo por base a vida boêmia. Sempre fui a favor de conhecer a história de uma cidade via a história de seus cabarés e seus cabaretiers. Deixo aqui meu estímulo em transcender a crônica blogueira por um livro mais aprofundado e histórico, tens todas as ferramentas necessárias para enfrentar e vencer esse desafio.
    Aproveito para lembrá-lo que na famosa primeira quadra da Cristovão, na década de 60, começou com um bar chamado Chopp’Inn. e mais tarde o La Cave teve seu momento de apogeu em um território tão curto e profícuo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »