O Baile do Facão

27 mar • A Vida como ela foiNenhum comentário em O Baile do Facão

Arrolado, em Horizontina, como testemunha de um processo conhecido como Baile do Facão, Nego Beto, figura popular na cidade, compareceu à audiência de instrução com os dois braços e as duas pernas engessadas. Ante a curiosidade do juiz por vê-lo naquele lamentável estado, o pedreiro contou o causo como o causo foi.

Recém-saído de Horizontina rumo a Porto Alegre, excelente pedreiro, Nego Beto, que deixava à vista dentes “brancos espelhados”, logo foi cooptado pela construção civil. Já na primeira sexta-feira de folga, passeando próximo à Estação Rodoviária, conheceu uma loira lindíssima, que de pronto o convidou a galgar os 66 degraus em um hotel na Voluntários da Pátria, próximo ao viaduto.

Findo o encontro de amor, com a penumbra e os dentes do Nego Beto chamando a atenção, a lindíssima loira, segurando na mão um AR-15 paraguaio, olha nos olhos do horizontinense e diz:

– Agora é a minha vez!

Beto agarra os pertences mais próximos e pula a janela… do terceiro andar.

Feliz, Beto faz questão de salientar o desfecho ao doutor.

– Quando ela puxou a arma, o degas aqui pensou: eu fora.

(colaboração Ricardo Sauer)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »