O azar do jacaré

1 mar • Caso do DiaNenhum comentário em O azar do jacaré

Open mouth crocodile in the water.

 Política em cargo público, hoje, é a arte de ficar com a boca fechada. Em boca fechada não entra mosca. O último a ser defenestrado foi o recém-empossado diretor da Polícia Federal, Fernando Segovia. Capitão de longo curso que sou, sempre me fascinou como o peixe morre pela boca quando alguém assume um posto importante e deita falação.

 Não falha nunca. São raros os que contam até dez antes de falar, e os mais espertos sabem que, às vezes, em vez de presença de espírito é melhor ausência de corpo. Mas os microfones e câmeras exercem a mesma atração que a luz com mariposas. E acabam se queimando como elas.

 Os mais espertos adotam outra técnica. Instados a responder a uma pergunta crucial que exija respostas curtas tipo sim ou não, eles falam, falam, falam e não dizem absolutamente nada. Meu melhor exemplo era o Brizola. Êta coisa mais difícil tirar dele uma resposta objetiva.

 Com tantas gravações às escondidas feitas pela imprensa em geral – coisa que eu não aprovo – melhor nem falar no banheiro. Até nem sei como as emissoras de TV ainda não usam aqueles microfones que captam conversas em ambientes fechados pelas vibrações no vidro das janelas.

 Seja sábio. Fique calado. Jacaré não vai para o céu porque tem boca grande.

 Imagem: Freepik

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »