O alemão do brasileiro

28 jun • A Vida como ela foiNenhum comentário em O alemão do brasileiro

 Câmeras, cinegrafistas, fotógrafos, repórteres e meio mar de gente invadiram o salão de uma instituição alemã tão logo começou a falar o jornalista Adroaldo Streck, falecido neste ano. O jornalista e radialista estava na Alemanha e foi convidado para falar em um seminário sobre a economia brasileira.

 No início da fala, ninguém deu muita pelota para o brasileiro, mas à medida que ele avançava nas suas observações a alemoada da mídia criou um congestionamento de gente, câmeras, fios e cabos. Mas o interesse não era pela economia do Brasil, era pelo dialeto alemão que Streck falava pensando que se fazia entender, o que, na colônia alemã, se chama de plattdeutsch, o baixo alemão.

 Esse dialeto, que alguns não reconhecem como dialeto e sim uma variante linguística, era o alemão falado pelos colonos quando chegaram no Brasil no século XIX e que literalmente o estacionou no tempo, aqui e acolá enriquecido por expressões portuguesas mas com tons do alemão – das Telegóda, por exemplo, o delegado.

 Os alemães explicaram que acorreram à conferência porque foram informados que alguém fala uma língua que nenhum museu do som e nem academias de letras teutas conhecia. Sabiam que existia, mas ninguém que a falasse. Então parte não era de jornalista, mas de pesquisadores e linguistas.

 Essa foi a contribuição que Adroaldo Streck deu para a terra de Goethe.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »