O adeus da tia

6 jul • A Vida como ela foiNenhum comentário em O adeus da tia

whatsapp_image_2020_03_17_at_09_54_26-9013149O Carmen’s Club, ou simplesmente a Tia Carmen, fechou as portas de vez. O casarão na rua Olavo Bilac, na Cidade Baixa, Porto Alegre, assemelhava-se aos antigos cabarés. Ou seja, com pista de dança, e a mulherada esperando um benfeitor.

Nos anos 1990, jogadores de futebol de outras plagas e destas também eram fregueses cativos. Conta-se que um deles, famoso, recolhia cuidadosamente as camisinhas que usava no combate de Eros, e as levava embora no bolso do casaco. Fácil saber o motivo.

O rito do faturamento das moças funcionava assim: depois de cadastradas – não havia um time fixo – elas tinham que pagar uma certa quantia na entrada. O depois era com elas. Também ganhavam uma comissão sobre bebidas que o freguês consumia, mas tinham que comprar maquiagem e roupas íntimas na loja da casa. O quarto era com o freguês, o cachê era todo delas.

Assim como outras casas famosas, como a Gruta Azul, taxista que levava turista ou forasteiro para a casa, recebia uma bela  gorjeta. Assim era o mundo da noite. E antes que alguma cabeça maldosa pense como entendo desses mecanismos por ser cliente, digo que não se precisa ter vivido em Sodoma e Gomorra para saber tudo sobre bacanais que lá aconteciam. Então, me poupem.

Amanhã conto o Causo dos Três Velhotes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »