Na mão grande

19 abr • A Vida como ela foiNenhum comentário em Na mão grande

capa_ruth

Voltou à moda colecionar figurinhas. Não sei se voltou também o “bater” figurinha dos meus tempos de piá. Eu nunca tive lá muito saco para completar os álbuns, até porque era público e notório que apenas alguns poucos felizardos chegavam lá, mas um me encantou. Foi minha estreia na cidade grande, a coleção de figurinhas das balas Ruth. Se não me falha a memória, duas eram difíceis, a casa de madeira, outro acho que era o peixe-elétrico.

Nunca tive mãos largas, portanto, em matéria de bater figurinhas, eu era ruim. Lembro um cara que ganhava sempre. Era o maior da turma, o mais gordo, com mãos que eram do tamanho de uma tábua de pinho de serraria. Esqueci o nome dele, mas não vem ao caso. Quando ele baixava aquela mãozona em concha sobre a figurinha da bala Ruth de cabeça para baixo – o objetivo era virá-la ao contrário – vinha a lajota da calçada junto, mesmo que estivesse cimentada. Esse movimento era chamado de tabufa. Virou, ganhou a figura.

O assunto me veio à mente por causa das últimas ofensivas para tentar virar o jogo e tirar da cana o preso mais ilustre do Brasil, nem que seja na marra.

Seita é fogo.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »