Moacir, o maldito

13 fev • Notas1 comentário em Moacir, o maldito

  Deu-me uma saudade do autodenominado poeta maldito Moacir Ribeiro. Dublê de jornalista, vagava nas frias madrugadas de julho nos bares da Rua da Praia, deitando âncora no Bar Leão, onde bebia litros, devolvendo-os em forma de poemas desconcertantes.
“Hoje, amanheci com uma vontade louca de brigar com Deus” , começava um, terminando com “Vocês não entendem nada  de ternura humana!” com exclamação e tudo. Morreu como viveu. Da última vez que o vi, estava com um bilhete de loteria na mão dizendo que, se ganhasse, iria surfar em  Camboriú.

One Response to Moacir, o maldito

  1. Marco Turki disse:

    Poema da ternura perdida. Do livro , talvez não publicado, POEMAS QUE DEUS NÃO LEU. DE Moacyr Ribeiro. fico feliz que alguém lembre dele. Paulo Santanas , muitas declamou este poema. Eu o conheci pessoalmente, foi contemporâneo de Mário Quintana e muitas vezes lhe paguei bebidas. Na rua Calda Júnior na época tinha bares boêmios de não boa categoria, proximo ao Bar Leão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »