Memórias de um João Ninguém

20 out • A Vida como ela foiNenhum comentário em Memórias de um João Ninguém

O meu livro de memórias, que só poderá ser editado quando toda a minha família estiver vivendo em outro país e com nova identidade, vai ser como todos livros de memória deveriam ser, com fácio e prefácio e, caso algum familiar quiser enriquecê-lo em meu nome, posfácio. Já li um livro assim nos anos 1970, Ninguém Vive Impunemente as Delícias dos Extremos, de Lycurgo Cardozo. Não interessa se o livro era bom, só o título já merecia o Nobel de Literatura.

Para atualizar a obra, o autor distribuía páginas com adendos para quem se interessasse, o pós-fácio ou posfácio, sei lá. Conto isso porque no meu fácio vou registrar uma frase de minha lavra, que no tempo dos linotipos, era mais rápido e descomplicado o processo que começava com textos das máquinas de escrever até o primeiro exemplar do jornal sair das impressoras do que com os “sistemas” de hoje.

De tão torturantes, os sistemas poderiam perfeitamente ser usados no tempo da Inquisição se computadores tivessem. De repente, aquela gentil pessoa chamada Torquemada veio do além desde a Idade Média para inspirar os sábios que criam essas perversões.

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »