Memória jornalística

27 nov • Direto do Túnel do TempoNenhum comentário em Memória jornalística

O que hoje é barbada já foi muito difícil: enviar textos e fotos. Primeiro, vieram o teletipo e a radiofoto. Reinaram por mais de 50 anos. Ambos exigiam máquinas grandes para enviar e receber o material. As fotos iam sendo impressas em papel especial ponto por ponto. Já a transmissāo de textos era bem mais rápido. Ficavam na sala de uma função que desapareceu, o copyright. Parecia uma metralhadora tractrac-tractrac. Varava a madrugada.

Como era  reconfortante ouvir esse matraquear. A redação tinha muito mais vida, acreditem. Fui forjado no barulho. Depois vieram telefoto, telex e fax. Mas essa já é outra história.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »