Homenagem a Mário Barbará

3 mai • Caso do DiaNenhum comentário em Homenagem a Mário Barbará

O compositor e cantor Mário Barbará, autor de belas composições da genuína música gaúcha, faleceu no dia 1º. Nascido, criado em São Borja (RS), recebeu esta bela homenagem do meu amigo Paulo Motta. Confira. É um primor de texto.

Mário Barbará

Se eu me chamasse Lourenço, naquele tempo em que as velhas brancas sentavam, numa tarde quente, e eu fizesse juras eternas, descobriria que é preciso dar a mão, ter que se cumprimentar e, depois de ser amigo, não vale o coração negar.
Mas quem foi que disse que eu não sei cantar?
Conheci um negrinho e um potrinho baio raio que meu compadre me apresentou, de já hoje, que guardava um saci na compoteira sob a luz dos vagalumes.
Depois, pra não fazer da minha vida uma comédia, uma tragédia ou um filme de terror, atravessei a ponte e a ponte gemeu; quase se borrou o ermãozinho do José.
Sonhei contigo e bebi, sozinho lá, num solitário bar, nem me lembrava mais pois tanto tempo faz.
E assim vamos, desgarrados, virando copos de saudades mas o que foi, nunca mais será.
É a vida em seu galope, me envolvendo, redemoinho, longe da gravata colorada, quando havia muita arma branca e pouca munição.
Meu canto chega de longe, foi guerra e foi pastoreio, mas agora me gusta uma campesina mulher valente, buena companheira, com suas mãos de asas a enfeitar minha cama.
Galopa, lope galopa, cavalo de assombração!
Quem viu, duvida que viu, quem pensa que viu não viu!
Pega teus avios de mate e vá matear com Deus, meu amigo!

Uma das grandes composições de Barbará é Desgarrados. Confira no https://www.youtube.com/watch?v=uQwLBPmgMJ4

Acesse o perfil no Face aqui.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »