Goleada

26 abr • Caso do DiaNenhum comentário em Goleada

 Na comparação com a economia formal, o crime organizado em facções dão de goleada, muitas vezes, até em eficiência. Pegue-se os recentes assaltos e roubos bem-sucedidos, incluindo o do Paraguai. Mesmo que o exército do PCC ou seja lá quem organizou o afano manu militari tenha sofrido baixas, os generais provavelmente estão em suas celas, que é lugar muito seguro e, de certa forma, confortável se você for um oficial de alta patente.

 E tem essa história que houve terceirização no assalto à sede da Prosegur. O governo Temer come uma beirada para conseguir que a terceirização e os caras do PCC já o adotam sem nenhuma oposição. Uma empresa formal de grande porte precisa ter pelo menos uma dúzia de contadores ou tributarias para não entrar em fria com o Leão. As facções não correm o risco do Refis porque não pagam imposto algum, para começar.

 E tem mais uma coisa que dá enorme vantagem a uma “empresa” criminosa e uma formal: a primeira tem zero de burocracia.

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »