Gaúcho e os queijos

9 out • NotasNenhum comentário em Gaúcho e os queijos

 É fabricado em Santa Catarina por uma francesa, que está barbarizando o mercado. O gosto é parecido com o camemebert, que ela também fabrica melhor que ninguém, mas não é tão salgado quanto este e nem deixa o gosto amargo no fim. É um brie turbinado. Existem outros queijos moles bons também, como o Saint Paulin e o que eu gosto muito, mas é inferior ao Port Salut, outro buenaço barbaridade.

 A conclusão – melancólica – é que gaúcho se contenta com meia dúzia de tipos não de ponta (não falo dos queijos coloniais nem os duros), suíço, raclete, ementhal e os com fungos, como o roquefort. Ou seja, não somos um povo amante de queijos, talvez porque o comércio não ofereça alternativas.

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »