Fatiando a vida

22 nov • Caso do Dia, NotasNenhum comentário em Fatiando a vida

A competente colunista Giane Guerra, de ZH, publicou nota contando que cada vez menos os consumidores poderão pedir “300 gramas de presunto e 400 gramas de queijo” nos supermercados gaúchos. Os estabelecimentos estão deixando de vender frios fatiados no local. O cliente terá de se contentar com a quantidade que vem na embalagem fechada.

O diploma legal abre algumas exceções, imagino que as bancas de mercados estejam entre elas. Olha, eu fico entre dois corações. Por um lado, acho que realmente falta higiene nessas vendas a granel, mas também sou de opinião que, se a casa caprichar na higiene, deve ter licença para vender embutidos e queijos por fatiamento.

Além disso, a lei tem um ponto cego. Se não pode vender fatiado bem à vista do consumidor, quem garante que as embalagens de 100, 200 ou mais gramas foram feitas no capricho em algum canto do estabelecimento?

A proibição deve-se a um decreto publicado em 2017 e que entrou em vigor em 2018, aumentando as exigências sanitárias para a comercialização dos produtos. Entre elas, climatização específica de locais e fatiamento na frente do cliente para determinada categoria de alvará.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »