País de Gerson

21 mar • Caso do DiaNenhum comentário em País de Gerson

 Já na última eleição, os candidatos penaram para conseguir doações às campanhas, por causa da proibição das pessoas jurídicas em doar recursos. As poucas pessoas físicas que se dispuseram a ajudar deram merreca, e isso quando deram, na maioria dos casos. O Caixa 2 é uma instituição permanente, seja para pagar a mulher do cafezinho e outras despesas pequenas ou para subornar alguma autoridade ou, ceder à sua chantagem.

 A proibição de qualquer doação física ou jurídica como querem alguns seria uma crueldade para com os pobres e uma benção para quem tem recursos. Ou seja, mais do que nunca, quem tem dinheiro para bancar sua candidatura. Entendam uma coisa, para ter chances de se eleger, salvo os chamados fenômenos eleitorais, precisa gastar em torno de R$ 10 milhões.

 Para fazer uma campanha totalmente limpa, com financiamento público, já existe o Fundo Partidário, que beneficia mais os grandes partidos comandados por donatários e seus apaniguados.

 Não é a legislação eleitoral deficiente. É o povo o nosso problema. Seja nas favelas, seja nos condomínios de luxo. Estamos todos contaminados, ou, como diz o povão, tá tudo dominado.

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »