Do sobrenome ao chip

30 nov • Caso do DiaNenhum comentário em Do sobrenome ao chip

arvore de sobrenome

 O sobrenome tal como o conhecemos nasceu depois da volta dos cruzados da Terra Santa. Em gratidão pela luta contra os inimigos da cristandade, receberam terras em vários países europeus. E como identificá-los face à crescente atividade econômica nos domínios? Usando sua profissão ou outra circunstância que os definisse. No caso alemão, temos Ritter (cavaleiro), Schneider (alfaiate), Selbach (sal em alemão arcaico + bach, arroio), para usar meu sobrenome por parte de mãe.

 Desta forma, famílias ricas, nobres e a realeza faziam questão de ter a sua árvore genealógica, para que pudessem saber sua filiação. Acho bonito. Mas, à medida que os sangues se cruzam, é cada vez mais complicado para os que têm ascendência europeia. O sobrenome era vital. Registro com pesar que hoje não são poucos que mal e mal sabem o nome dos avós, nem de onde vieram, moraram ou sua profissão.

 Centenas de anos depois, foi criado o documento de identidade e variações, como a carteira de motorista – nos Estados Unidos vale o número do registro social. Mais e mais dados foram acrescentados para identificar uma pessoa, digitais, impressão palmar, íris dos olhos e chip.

 Mas nunca, nem nos meus piores pesadelos, imaginei que um dia até os bebês teriam que obrigatoriamente ter CPF – saiu uma instrução neste sentido. Pensem na implicação disso, no controle dos humanos assim que nascemos. Somos números para efeitos fiscais. Pior que o pecado original, já nascemos devendo.

 Nem George Orwell teria imaginação para tanto.

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »