Técnicas cirúrgicas

12 jan • Caso do DiaNenhum comentário em Técnicas cirúrgicas

Um leitor da página 3 do JC enviou uma lembrança, a de que nós gaúchos não deveríamos nos espantar com as decapitações amazônicas porque tivemos duas revoluções em que a degola correu solta, 1893 e 1923. É verdade. A briga medonha entre maragatos e pica-paus gerou um frenesi sangrento que encheria uma centena de bancos de sangue. Mas essa nossa especialidade é convenientemente esquecida. Deus me livre e guarde relembrá-la em algum desfile guasca.

Nós gaúchos somos pioneiros em muita coisa. O primeiro banco que quebrou foi aqui, o Pelotense, nos anos 1970, a primeira financeira a dar pau também foi gaudéria, idem distribuidora de valores e corretora. Algumas semanas depois do último traumático acontecimentoo, a quebra da corretora, viajei para São Paulo para um evento na Bovespa. Durante o clássico coquetel, um desconhecido se aproximou e alguém disse a ele quem eu era. Ele me olhou e fez a seguinte pergunta.

– Gaúcho, diga uma coisa. Vocês pretendem quebrar o Brasil também?

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »