Cretinices geniais

7 nov • A Vida como ela foiNenhum comentário em Cretinices geniais

Naqueles tempos, como se lê na Bíblia, naqueles tempos dos anos 1960 íamos ao cinema ver filme cabeça sem pé nem cabeça no Cine Vogue, pouco antes da esquina com a Garibaldi. Era um cinema de bolso, como se chamava, pequeno e aconchegante. Filmes da nouvelle vague francesa, do Goddard e dos italianos como Antonioni passavam lá. Natural, não era muita gente que gostava de filme cabeça sem cabeça.

Mas a hipocrisia reinava. Sem entender bosta nenhuma, até porque só o diretor entendia, e às vezes nem ele, dizíamos na saída que o filme era uma merda, mas que o diretor era genial. Genial era mais empregado que a nível de dos anos 90. Sentava-se na mesa do bar e, em segundos, alguém dizia “genial!”. Folheava-se uma publicação hermética, de preferência, e lá vinha “genial!”. Ouvia-se qualquer um de esquerda criticar o capitalismo e se dizia “genial!”. Sentava no vaso e, minutos depois, olhava pra baixo e dizia: genial!

 O bom do Vogue era o bar depois da sessão. Podia ser o Styllo, que falei ontem, ou poderia ser um lugar mais sofisticado e caro, como o Butikim mais adiante. Havia uma ala do Partidão (PCB) que tinha uma célula lá. Eram os riquinhos que, para afastar o tédio, viraram marxistas, mesmo que só tivessem lido a relha do “Das Kapital”.

As mulheres, universitárias especialmente, amarravam-se em comunas que criavam frases do tipo “teses ontológicas sobre Marx”. Se o cabra também tocasse violão, tiravam a roupa de primeira. Mas vou confessar uma coisa: com larga experiência na gandaia, na esbórnia e calaçaria, a maior parte das gurias das faculdades tinham conflitos sexuais e eram sexualmente inseguras.

Foi uma decepção. Não havia um Woodstock gaudério nem uma cidade chamada Bethel.

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »