Cretinices geniais (final)

7 jun • A Vida como ela foiNenhum comentário em Cretinices geniais (final)

O bom do Cine Vogue era ir para o bar depois da sessão. Podia ser o Styllo, no mesmo prédio, bem ao lado, ou poderia ser um lugar com dois “ado” -sofisticado e agitado, portanto caro, como a boate Butikim mais adiante. Havia uma ala do Partidão (PCB) que tinha uma célula lá. Eram os riquinhos que, para afastar o tédio, viraram marxistas, mesmo que só tivessem lido a meia orelha do “Das Kapital”. Os outros riquinhos gostavam é de se esbaldar. Eram, portanto, gente perfeitamente normal e saudável.

Um dos militantes do Partidão, que depois virou vereador ideologicamente comportado, costumava dizer nas entrevistas para a imprensa que, no tempo dos milicos, ele e outros militantes estavam firme nas barricadas. Um dia, falei para ele parar com essas histórias revolucionárias porque eu conhecia o passado dele e dos amigos: as barricadas eram barris de chope.

As mulheres, universitárias especialmente, amarravam-se em comunas que criavam frases do tipo “teses ontológicas sobre Marx”. Se o distinto também tocasse violão, deslumbrava o mulherio.

Foi minha maior falha de adolescente, aprendi a tocar gaita (acordeom), mas passei longe do violão. Entretanto, vou confessar uma coisa: com larga experiência na gandaia, na esbórnia e calaçaria, posso garantir que parte das gurias de esquerda das faculdades tinham conflitos, sexualmente inseguras.

Era o que as casas ofereciam.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »