A cesta milagrosa

11 abr • A Vida como ela foiNenhum comentário em A cesta milagrosa

     Um dos maiores argumentos dos governistas quando há espanto com a corrupção rápida, acelerada e irrestrita que se instalou no País é que sempre teve roubo. Sim, sempre teve. Mas tenham dó, não nessa proporção de corcova de dromedário.

     Nos anos 1970, eu ouvi de um paulista quatrocentão, sócio de empreiteira poderosa na época, como eles – os concorrentes, lógico, ele fora… – tinham acesso a informações privilegiadas sobre obras públicas, e quanto pagavam por elas.

     Macaco velho no ramo, o empreiteiro contou que de pouco valiam as informações dos altos escalões. Então, a técnica reunindo o útil ao agradável só colimava duas pessoas: a secretária do ministro e o operador da máquina de xerox. A secretária pedia as cópias e o da xerox providenciava as cópias de contratos, datas e exigências das licitações, valores etc.

     Preço? Uma cesta de Natal (fora de época) recheada com perfumes e produtos importados.

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »