Como perder dinheiro para um peixe

16 mai • A Vida como ela foiNenhum comentário em Como perder dinheiro para um peixe

Muito boa a manchete da Folha de S.Paulo de ontem: “A República dos carecas comanda áreas cabeludas do governo”.  Comentei há mais tempo um erro histórico na Zero Hora de 1966, quando colocou “exita” em vez de “hesita”.

Pior é que o jornalista Carlos Coelho, que fez a manchete, teve um sentimento de que algo estava errado, mas não sabia bem o quê. Viu no outro dia, quando uma professora ligou para reclamar do erro crasso. Anotem aí: ninguém é revisor de si mesmo. No jornalismo ou fora dele.

Nos anos 1960, teve outro caso memorável, o falecido Diário de Notícias colocou a foto de um pinguim que apareceu em Torres e, na legenda, o redator lascou “Sabe Deus de onde veio esse bicho”. Todos sabem que pinguins descem do Everest.

A melhor, disparada, foi a do jornal popular Notícias Populares, de São Paulo. Um idoso tirou dinheiro de uma agência bancária na Consolação e, na saída, foi cantado por uma prostituta, que o levou a um motel. Lá, aplicou o velhíssimo golpe do suadouro e levou toda sua grana.

Manchete do NP: “Piranha come vovô”.

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »