Colecionador de cretinices

22 abr • A Vida como ela foiNenhum comentário em Colecionador de cretinices

Eu sou um colecionador de cretinices. Oficiais, principalmente. Não que goste, mas por dever de ofício. É uma maldição que vem dos tempos em que a humanidade evoluiu do macaco alfa para a chefia da aldeia. Na realidade, muitas chefias dizem besteiras ou tomam decisões bestas insufladas por assessores. Tirando os poucos que realmente são bons, o resto foi invenção do Foguista Lá de Baixo. Se não criação, pelo menos frequentaram um curso de aperfeiçoamento bancado pelo chifrudo.

Quando leio ou ouço os mais realistas que o rei defenderem a chefia e esgrimindo argumentos sem pé nem cabeça, tenho a impressão que alguns deles têm um orgasmo. Múltiplo. Um a cada menção do nome do líder. É curioso esse suicídio de pessoas públicas. Em vez de se cercar por pessoas qualificadas, dão preferência aos puxa sacos. Dá no que dá. Esta é uma das tantas estupefações que também tenho colecionado ao longo da minha carreira. É como ouvir que o bacon foi inventado pelo político, filósofo e ensaísta inglês Francis Bacon.

O pensador espanhol Jose Ortega Y Gasset disse uma frase que ficou famosa, o homem é o homem e suas circunstâncias. No caso, as circunstâncias são os assessores, que, não raro, deixam o homem público de calças arriadas. O que é uma circunstância muito embaraçosa, para dizer o mínimo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »