Dentro do anormal, o normal

4 nov • Caso do DiaNenhum comentário em Dentro do anormal, o normal

Os acontecimentos da nossa história recente fizeram com que eu revolvesse da minha memória citações de dois ilustres personagens. Uma é de Augusto Comte, o filósofo que criou o Positivismo: “Os vivos são cada vez mais e necessariamente governados pelos mortos”. Já o nosso Barão de Itararé tinha uma variante: “Os vivos são governados, cada vez mais e necessariamente, pelos mais vivos”.  A hipocrisia campeia e uma delas é quando morre uma figura controversa. Quando vivo, falam mal do cabra, quando morre, vira herói. Lágrimas de crocodilo.

O velho Machado de Assis tem um dito impecável sobre o assunto: “Está morto: podemos elogiá-lo à vontade”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »