Café da manhã

28 abr • A Vida como ela foiNenhum comentário em Café da manhã

A colenda Câmara de Vereadores de Porto Alegre completa 30 anos de casa. A sede anterior era no prédio da prefeitura velha, no Centro. Como todo prédio, abriga fantasmas e lembranças que, não raro, fundem-se. Quando faltava pouco para a mudança, o vereador Glênio Peres (PDT), varou a madrugada e parte da manhã para colocar seu gabinete em ordem de mudança.

Finda a tarefa, foi para o restaurante Gambrinus, do Mercado Público, beliscar alguma coisa. Era pouco mais das nove horas. Ele era o único cliente. Pediu bolinhos e um copo alto cheio de gelo e um guaraná. Era seu café da manhã. Bebeu uns goles e encheu o copo com o resto. O garçom levou a garrafa vazia.

Nisto, entra um desafeto do combativo Glênio, figura pública muito (mal) falada, alvo de vários discursos feitos pelo vereador.

O mesmo – o dos avisos de elevador em que se pede para ver se o mesmo está no andar – fingiu que não viu Glênio, sentou bem na outra ponta e chamou discretamente o garçom. Com a mão abaixo da linha da mesa, apontou o dedo em direção à mesa do seu inimigo.

– Pra mim a mesma coisa. Enche o copo com gelo e completa com uísque.

Às nove da manhã.

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »