Cadê a explosão?

27 jan • Caso do Dia, NotasNenhum comentário em Cadê a explosão?

cadê a explosão de casosa de covid e a busca por hospitalização

Pelo menos até agora não houve a anunciada explosão de casos de Covid devido às festas e aglomerações de Natal e Ano Novo. O gráfico mostra as hospitalizações em Porto Alegre até segunda-feira passada. Como o tempo do vírus dizer “positivo operante” é em torno de 15 dias, esperei até ontem para escrever esta nota. A não ser que o vírus tenha ampliado o período de incubação com as novas cepas.

Imagem: Freepik

IMG-20210126-WA0004 (1)

TUDO ABERTO

Vou além disso. Ainda em outubro a Prefeitura ampliou o horário de funcionamento do comércio, de bares e restaurantes, permissão ampliada pelo prefeito eleito Sebastião Melo. Também houve manifestações de alarme dos especialistas, que previam a tal explosão antes da virada do ano. Não aconteceu também.

https://meubanricompras.com.br/?utm_source=fernando_albrecht&utm_medium=blog&utm_campaign=banricompras_duv&utm_content=centro_600x90px

BRIGA COM A NOTÍCIA

Longe de mim duvidar destes médicos, mas os fatos são estes. Se vai mudar para pior, se as novas cepas vão turbinar o vírus, é coisa que não podemos saber. Talvez a pandemia piore, talvez as vacinas não o contenham, talvez um monte de coisas, mas não dá para brigar com a notícia que, por hora, é esta.

HERESIA OU VERDADE

Estou com a incômoda sensação de que o confinamento e lockdown não são a solução. Sim, no início houve a falta de UTIs e coisa e tal, mas lembro dos especialistas dizerem que o vírus precisa circular para aumentar a autoimunidade ou nome que o valha.

MOSCA NA SOPA

Tão logo surgiram notícias dando conta que estavam sendo criadas vacinas promissores, apareceram novas  cepas. Como eu disse, é só uma mosca que caiu na minha sopa. Eu nunca acreditei muito em coincidências, herança dos meus tempos de repórter policial.

CHERCHEZ L’ARGENT

Os velhos  mestres da literatura policial francesa e a própria polícia tinham um mantra quando investigava um homicídio, cerchez la femme, procurem a mulher. Sempre havia  um rabo de saia envolvido direta ou indiretamente no crime.

Os tempos mudaram, e hoje o que vale e o título desta nota, procurem o dinheiro. Nele está a explicação.

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »