As especialistas

19 out • A Vida como ela foiNenhum comentário em As especialistas

happy young woman full body standing

 Garotas de programa se especializaram em atender homens hospitalizados. Quando escrevi sobre os cabarés e a “zona” das cidades do interior, sempre tive em mente o antigamente, porque de lá para cá mudou muita coisa, em especial a criatividade desse sempre próspero negócio. Como se diz hoje, as garotas e seus agentes agregaram valor ao produto e abriram o mercado a domicílio hospitalar.

 Não sei como esse mercado anda hoje, mas, nos anos 1980, elas desenvolveram um sistema de visitar os pacientes nos seus quartos, principalmente em grandes hospitais públicos. Oh, não se assustem, não é coisa de Stephen King, mulheres doidas pulando nas camas e violentando pobres homens imobilizados e respirando por aparelhos. Não, era mais sutil, e muito discreto. Propaganda boca a boca.

 O púbico-alvo eram vítimas de traumatismos, engessados e presos por pesos e contrapesos. Não sofriam de enfermidades, apenas se angustiavam por ficar imobilizados. Da necessidade saiu a invenção, transmitida entre os que podiam pagar o serviço especializado.

 O mercado era restrito, mas o consumidor era premium e como tal era tratado.

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »