As calçadas falam

16 mar • NotasNenhum comentário em As calçadas falam

 Com o aumento dos assaltos, de algum tempo para cá, também tenho observado algo mais tétrico que manchas de chiclete. Os assaltantes costumam agir nas paradas de ônibus e, não raro, empregam a violência inclusive com o uso de armas brancas – facas, canivetes etc. Então, por duas vezes em menos de uma semana, vi pingos de sangue em abrigos de ônibus, um na avenida Independência, e outro na 24 de Outubro. Um deles deixava um rastro até a entrada do Hospital Materno Infantil Getúlio Vargas, uma quadra adiante. Claro que não foi o assaltante que levou a pior.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »