Adeus, minha querida

8 dez • Notas1 comentário em Adeus, minha querida

Fiquei sabendo que minha querida São Vendelino vai ter um distrito industrial. Repito o poeta mineiro Carlos Drummond de Andrade ao visitar sua Belo Horizonte e se deparar com os morros devastados pela mineração: São Vendelino, nunca mais. Com a industrialização, acabou. Ficarei só com as lembranças da mata nativa, do arroio Forromeco.

One Response to Adeus, minha querida

  1. Cristiane Klein disse:

    Sinto contrariar tua afirmação, pois ela continua linda. Claramente, falta algum plano para reger essa industrialização e para manter suas paisagens naturais. O problema é que ela está estagnada, e o que falta para ela sair disso, além das industrias (que deveriam ser apenas uma pequena parcela da renda), é o turísmo, pois ela tem um potencial imenso. Estou trabalhando nisso no meu trabalho final de graduação em arquitetura, e espero atender as espectivas dos antigos moradores com futuros também.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »