A vez do sacristão

17 fev • A Vida como ela foiNenhum comentário em A vez do sacristão

Xícara de café sobre uma mesa, com um fundo de morros e céu nublado

Lembrei de uma dos tempos de colégio. Todo santo dia o sacristão chegava no quarto do padre com o café da manhã e o acordava com a mesma frase.

– Bom dia, padre. O dia está lindo, o café está quente e cheiroso com bastante açúcar, como o senhor gosta, o pão tá bem fresquinho, crocante, e a manteiga foi batida agora.

Isso dia após dia, mês após mês, ano após ano. Até que uma manhã o sacristão entrou no quarto e pegou o padre de corno azedo.

– Já sei, já sei. O dia tá lindo, o café está quente e cheiroso, com bastante açúcar como eu gosto, o pão tá fresquinho, crocante, e a manteiga foi batida agora.

Deu azar. O sacristão também não estava na dele.

– Não mesmo, nada disso, padre. O dia tá uma merda, desabou um toró filho da mãe, o café tá frio, fraco e fedorento e com pouco açúcar, o pão é de ontem e a manteiga tá rançosa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »