A sobremesa do Vovô

3 ago • A Vida como ela foiNenhum comentário em A sobremesa do Vovô

O Zezinho do restaurante Gambrinus do Mercado Público é um dos mais antigos garçons de Porto Alegre. Não está na pole position, longe disso, mas começou cedo e segue na batalha. Está há 32 anos na casa. Só teve um pequeno contratempo cardiológico, prontamente corrigido pelo kid nessa área, o doutor Fernando Lucchese. Os intrigantes maldozamente insinuam que há há anos o Zezinho tinha colocado não um stent mas sim uma mola do caminhão Mercedes Benz 1313.

Nos tempos da gloriosa Tia Dulce dos anos 1960/70 da avenida Independência, Zezinho atendia um público gay VIP, uma sala fechada cuja entrada era vedada aos mortais comuns. Zezinho é um túmulo quanto a nomes e personagens da high society que jantavam ou bebiam naquele recanto sagrado. Se bem que a maioria era conhecida.

José Carlos Lopes Tavares, nascido e criado em Bagé, para que não pairem dúvidas, não é um sujeito alto, maneira polida de dizer que ele é baixinho. E tem aquela cor típica de fronteiriço puxado para os mouros que se miscigenaram com os espanhóis e deram com os costados na Fronteira.

Certo almoço, um dos clientes perguntou ao garçom Vovô se o Gambrinus tinha sobremesa. Claro que sim, falou Vovô.

– E qual sobremesa recomendas?

– Petit Gateau – falou Vovô.

– Então me trás uma.

Vovô apontou com a ponta do queixo o Zezinho, postado inocentemente na porta do restaurante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »