A Quina da pobreza

16 dez • A Vida como ela foiNenhum comentário em A Quina da pobreza

Foram tantas as críticas à moratória das dívidas devidas pelos Estados endividados e em situação de penúria à União que se chega à conclusão que ela foi um péssimo negócio para o Rio Grande do Sul em particular. Lembra um caso dos anos 1980, quando eu fazia o Informe Especial da ZH. Deu-se que um balconista de loja de construção civil de Osório (RS) ganhou a Quina, na época o única loteria fora a esportiva da Caixa.

Os acumulados naqueles tempos não eram tão grandes como hoje, então em reais o balconista deve ter recebido cerca de 5 ou 6 milhões de reais. Uma roda na redação comentava o assunto. Um dizendo que o felizardo não podia largar tanto foguete porque não comprava uma Ferrari, outro disse que não dava nem para comprar um apartamento na avenida Vieira Souto no Rio, um terceiro garantiu que os juros reais que ele receberia davam pouco. O falecido jornalista Wanderley Soares ouviu atentamente o papo, até que falou.

– Vocês estão me dizendo que o cara se ferrou?

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »