A pomba azul

12 fev • A Vida como ela foiNenhum comentário em A pomba azul

O prefeito estava muito preocupado com a praga de pombas. Não havia maneira de mandá-las embora: a cidade estava tomada pelas aves, as pessoas não podiam mais caminhar pelas calçadas e nem conduzir seus carros pelas ruas. Já haviam gasto uma fortuna só para manter as ruas e calçadas limpas. Um dia, apareceu um desconhecido que procurou o prefeito. Foi direto ao ponto.

– Eu posso terminar com essa praga de pombas sem custo algum, mas você deve me prometer que não vai fazer pergunta alguma; se fizer, deverá pagar R$ 3 milhões para cada pergunta.

O alcaide considerou razoável a proposta, por ser totalmente gratuita. Aceitou. No dia seguinte, o homem se dirigiu ao terraço do edifício mais alto da cidade, abriu uma gaiola que carregava e tirou de dentro uma pomba azul. A pomba azul deu algumas voltas e subiu aos céus; todas as pombas da cidade começaram a segui-la. Em seguida, a ave voou para fora dos limites da cidade, para bem longe, seguida por milhares e milhares das pombas que tanto incomodavam a população.

No dia seguinte a ave voltou sozinha para o homem, que a esperava no terraço do prédio. Impressionado e satisfeitíssimo com o fim da praga, e mesmo que o homem tivesse garantido que o serviço seria gratuito, o prefeito sentiu o desejo de lhe fazer uma pergunta, mesmo que custasse R$ 3 milhões.

– Diga-me, bom homem, por acaso o senhor não teria também um pichador azul?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »