A onça e a capivara

19 ago • FabulinhasNenhum comentário em A onça e a capivara

Onça pintada deitada na relva. Foto de João Mattos

A onça estava tomando uma fresca embaixo de uma árvore quando uma capivara passou nadando a uma prudente distância da margem. Usando seu charme felino, levantou o patão como que acenando.

– Vem cá, neném, vamos brincar de pegar?

O maior roedor do mundo levantou o focinho, indignado.

– Mais respeito, sua piranha felpuda! Eu não sou teu neném. Pra começar, sou macho – ca-pi-va-ro, entendeu? Tanto que lá no Sul me chamam de capincho!

– Tu fica bonitinha zangada, neném. Vem pra cá que vamos procurar ninho de cavalo. Vai ser tão bom…

Nisso a água ao redor do capincho começou a ferver. Bateu o pânico nele e, em seguida, começou a ser devorado por centenas de fileiras de dentes. Em menos de um minuto só sobrou pelo e osso que daria para fazer cabide ou pente direto. Quando ela falou “piranha”, elas acharam que era convite para jantar.

Moral da história: em rio que tem piranha, até jacaré nada de costas.

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »