A noite dos saltos dos peixes (final)

26 nov • A Vida como ela foiNenhum comentário em A noite dos saltos dos peixes (final)

Leia o início clicando em: http://fernandoalbrecht.blog.br/a-noite-dos-saltos-do-peixe-1-de-2/

Pedi o fotógrafo, a viatura e fomos até o lugar da pescaria. No caminho, achei que era coisa de bêbado, mas nunca se sabe. Quando chegamos a uma quadra da São Pedro vi a água cobrindo o leito, estava a quase meio metro de altura dos prédios. Essa não. Não é que o cara estava falando a verdade?

Não demorou e apareceu um sujeito na caminhonete com a logomarca do jornal na porta dizendo que foi ele quem tinha ligado. E assim que meus olhos se acostumaram à escuridão, vi peixes bem pequenos e espinhentos saltando adoidado. Pelo que o sujeito falou, era manduim ou mandim, não recordo bem. Em 20 minutos, a água na avenida começou a esvaziar

A explicação da enchente: uma enorme tubulação que levava água para a Hidráulica São João estourou justamente na São Pedro. Por algum motivo, na boca da captação. Presumivelmente, a tela que impedia a entrada de detritos e peixes abriu parcialmente, e então entrou esse diabo de peixe. A última pergunta que fiz para o popular que ligou para o jornal foi o que ele faria com baldes e mais baldes cheios desse peixinho espinhento e se eviscerado fosse daria apenas algumas gramas de proteína.

– Sabe que eu não sei?

Mais uma prova que, sendo de graça, gaúcho leva até injeção na testa. Coisa de louco. Frutos do rio numa avenida longe do rio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »